Diabetes: Uma Doença Silenciosa Que Vai Mudar o Seu Modo de Vida

Diabetes: Uma Doença Silenciosa Que Vai Mudar o Seu Modo de Vida

Quando um paciente é diagnosticado com uma doença logo inicia o tratamento com o uso de medicamento e acompanhamento médico. Em muitos casos o problema é solucionado como as infecções ou inflamações.

Mas, e quando o diagnóstico é de uma doença sem cura e que exige um cuidado permanente? Estamos falando da Diabetes, uma doença que altera o nível de glicose em nosso corpo ou que faz com que o organismo não a utilize de forma adequada.

Antes de tudo vamos entender: o que é glicose?

Vamos voltar aos tempos das aulas de biologia e recordar: Glicose é uma molécula de açúcar. Mas não vamos nos apegar apenas no açúcar que utilizamos para fazer um doce, mas sim nos açucares que consumimos de outras formas dentre elas, por meio de carboidratos, ou seja, massas e alimentos como batata e arroz.

Quando uma pessoa ingere algum tipo de glicose ela é transformada calorias que são consumidas em uma atividade física, por exemplo, nos dando energia. Essa transformação se dá pela insulina, um hormônio produzido por um órgão do nosso corpo que muitas vezes nem lembramos que existe: o pâncreas.

Portanto a glicose, ou os açúcares em nosso organismo deve ser transformado em calorias que servem de fonte de energia.

Mas e quando isso não acontece?

Aí desenvolvemos a Diabetes.

De acordo com os dados da  Pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em abril pelo Ministério da Saúde, revela que as mulheres foram mais diagnosticadas com doença do que os homens. Nos últimos 10 anos o grupo passou de 6,3% para 9,9% no período, contra um índices de 4,6% e 7,8% registrados entre os homens. Os dados são preocupantes já que o número de diagnósticos cresceu 61,8% de 2006 a 2016.

Em números, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, no Brasil há mais de 13 milhões de pessoas convivendo com a doença.

O que fazer se for diagnosticado?

Basicamente, a resposta é: controlar o nível de glicose no sangue. Por isso o paciente terá que ter sempre à mão um monitor de glicemia os as bombas de insulina, que devem ser utilizados apenas sob orientação profissional.

Mas por que a Diabetes exige uma mudança de vida?

Primeiro porque o paciente terá que que tomar uma medicação constate seja para fazer com que o pâncreas produza insulina suficiente para transformar a glicose em calorias. Em outros casos a pessoa terá que que fazer a injeção de insulina para o controle da glicose.

Além da medicação a Diabetes exige que o paciente modifique o seu modo de vida adotando hábitos saudáveis desde a alimentação, com um cardápio elaborado por um nutricionista, à realização de atividades físicas constantes que pode ser uma simples caminhada pelas ruas do bairro.

Tipos de Diabetes

Sim, existe mais de um tipo e esse ponto também é importante esclarecer.

A Diabetes Tipo 1 é causada quando pouca ou nenhuma insulina é liberada pelo corpo o que faz com que o nível de glicose no sangue aumente consideravelmente. Neste caso o tratamento em crianças, jovens e adultos se dá pela injeção da insulina.

Já a Diabetes Tipo 2 é diagnosticada quando o corpo não consegue utilizar de forma correta a insulina que produz. Esse tipo atinge cerca de 90% das pessoas diagnosticadas com Diabetes e pode ser controlada com atividades físicas, em casos mais simples, ou uso de insulina e outros medicamentos.

Grupo de risco

Há um grupo mais propenso a desenvolver a Doença. Pessoas com caso na família, já que a Diabetes é comprovadamente hereditária e pessoas obesas. A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) aponta como fatores de risco:

   ▪    Pessoa que tem pressão alta;

   ▪    Colesterol alto ou alterações na taxa de triglicérides no sangue;

   ▪    Pessoa que está acima do peso, principalmente se a gordura estiver concentrada em volta da cintura;

   ▪    Pessoa que tem um pai ou irmão com diabetes;

   ▪    Pessoa que tem alguma outra condição de saúde que pode estar associada ao diabetes, como a doença renal crônica;

   ▪    Pessoa que teve bebê com peso superior a quatro quilos ou teve diabetes gestacional (veja em Diabetes Gestacional);

   ▪    Pessoa com síndrome de ovários policísticos;

   ▪    Pessoa que teve diagnóstico de alguns distúrbios psiquiátricos, como esquizofrenia, depressão, transtorno bipolar;

   ▪    Pessoa que tem apneia do sono;

   ▪    Pessoa que recebeu prescrição de medicamentos da classe dos glicocorticoides.

Dentro deste cenário, nada melhor do que manter uma vida equilibrada e saudável. A Diabetes é uma doença que exige controle e quando bem acompanhada o paciente pode viver tranquilamente feliz, com os cuidados necessários.

E lembre-se, uma boa alimentação pode fazer uma grande diferença, desde o cuidado preventivo até o controle da glicose em caso de Diabetes diagnosticada.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho